Cumpra-se! da Alerj cobra entrada de doulas em hospital de Acari 

10 de abril de 2018
Por Hélio Lopes

 

Quem vê Beatriz Venturine dormir tranquila nem imagina que a pequena exigiu mais de 24 horas de trabalho de parto para nascer no último dia 17 de janeiro. A mãe, Jéssica de Souza Venturine, destaca que a atuação de sua doula foi fundamental para suportar com calma o esforço. A presença dessas profissionais durante o parto é garantida por lei estadual mas foi descumprida no Hospital Municipal Ronaldo Gazolla, em Acari. Para garantir o respeito à norma, a Comissão Especial para Acompanhar o Cumprimento das Leis da Alerj, conhecida como Cumpra-se, promoveu uma inspeção na unidade de saúde nesta terça-feira (10/04).

As doulas são profissionais especializadas em acompanhar a gestação com objetivo de auxiliar no desenvolvimento saudável do bebê. Jéssica Venturine lembra que sua doula foi barrada no Hospital Ronaldo Gazolla e não conseguiu estar presente durante o início do trabalho de parto. “Os funcionários do hospital barraram a Doula, argumentando que o meu marido já me acompanhava. Demoraram duas horas para liberar a entrada dela.”, contou.

A Lei 7314/2016, de autoria do ex-deputado José Luiz Nanci, estabelece que a presença da doula não se confunde com a do acompanhante e garante seu acesso às unidades de saúde a critério exclusivo das gestantes. A fisioterapeuta Juliana Candido é doula há 6 anos. Ela confirmou a existência de obstáculos para acessar a maternidade do Ronaldo Gazolla. “Eu falei com mais de dez pessoas, demorou uma hora e meia até finalmente me deixarem entrar”, lembrou.

A presidente da Associação das Doulas do Rio de Janeiro, Morgana Eneile, reclamou da dificuldade de fazer cumprir a legislação. “ Quase dois anos depois da lei aprovada, ainda temos que ficar brigando na portaria do hospital para atender a mulher em trabalho de parto. Isso é desumano”, reclamou.

O presidente do Cumpra-se, Carlos Minc (PSB), explicou que a atuação da doula colabora para humanização do parto. “ O Brasil é campeão mundial em cesariana. A atuação da doula contribui para mudar esse quadro, diminui o estresse da mãe e humaniza o parto. A direção do hospital prometeu que vai rever essa situação e eu espero que cumpra, porque nós voltaremos aqui para conferir. A lei prevê multa e, em caso de reincidência, o afastamento do diretor”, alertou.

Assine nosso Boletim

+55 (21) 2588-1227

ALERJ - Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro

Prédio anexo - Gabinete 402

Rua Dom Manuel, S/N - Centro
CEP: 20.010-090

  • Grey Facebook Ícone
  • Grey Instagram Ícone
  • Grey Twitter Ícone
  • Cinza ícone do YouTube