Mão de obra parada (Ancelmo Gois)

O percentual de presos que trabalham é vergonhoso. Há 18 anos, aprovei a Lei 3401/2000, para o trabalho de presos, e que determina a instalação de carpintarias e máquinas de costura em presídios. Na SEA, chegamos a utilizar 380 presos semi-internos para o replantio de árvores no Rio Guandu. A lei não é cumprida, e o nível de reincidência criminal é elevadíssimo. As gangs dominam os presídios e de lá comandam o crime organizado, e boicotam o trabalho dos presos. Acionaremos o Ministério Publico para que a lei seja cumprida. 

ANCELMO REAL.png